Fúlgidos acasos

Fúlgidos acasos

Lá estava ela calma e distante
arrancando o mar dos olhos
abrindo o instante tempo cego
que não fora vivido por inteiro

Lá estava ela lendo velhas cartas
ocultas palavras trocadas a dois
mãos que fingiam não terem tecido
o breve gesto feito de cenas de amor

Lá estava ela em seu recluso andor
preenchido por sorrisos frouchos
e ressentimentos
corpo domado em pensamentos
da mesma saudade de antigamente

Lá estava ela sem contentamentos
brincando de iludir sonhos
aguardando a chuva vir regar a flor
entre retratos amarelados
sobraram poucos que valessem essa dor

Adriane Lima

1 comentários:

Flávia Peruci ღ¸.•*•.¸ઇઉ disse...

Ola Renata, retribuindo a visita...um encanto seu blog...bjs